Avançar para o conteúdo principal

Para além do óbvio

Na maioria das vezes não somos sensatos o suficiente para vislumbrar o que está para além do óbvio. O tempo mediático da informação, onde os media sociais e a sua interação dominam a atualidade informativa, pouco tempo deixa para a reflexão, o que porventura adensa a necessidade para conclusões imediatistas. 

Cingimo-nos a dois acontecimentos mediáticos recentes, de onde proliferaram títulos, partilhas e comentários incisivos. 

1 O Presidente da República decidiu fazer um telefonema na estreia de um programa de televisão da mais famosa (e bem paga) apresentadora da TV portuguesa, com o objetivo aparente de desejar-lhe boa sorte. Um tema apetecível para os media sedentos de visualizações que obviamente “viralizou”. 

O ato é sem dúvida de um populismo sem precedentes, mas arrisco a dizer que porventura até é necessário (para o País e obviamente para o próprio) ou não fosse Marcelo Rebelo Sousa uma mente que respira estratégia em cada passo que dá. 

Ao canalizar o populismo em Portugal para si, impede que o mesmo divague para outras correntes problemáticas, como se tem verificado em vários pontos do Mundo Ocidental. 

Acresce que marca pontos com o eleitorado dos programas da manhã, que são dos que mais votam e também dos mais influenciados por correntes populistas. Acentua, no entanto, a crítica na corrente mais à direita, aquela que já estava entristecida com o facto de o mesmo dar (até agora) mais importância ao País que ao partido, no constante apoio à solução governativa atual. 

Um Presidente devia evitar este tipo de exageros? Sim, mas vivemos uma nova e assustadora realidade e só quem anda muito distraído é que pode considerar que a palavra "exagero" existe na corrente populista da direita nacionalista e radical que prolifera no Mundo hoje em dia. Basta ver a estratégia e o discurso do que se passou nos EUA, Brasil, Itália, Hungria, Turquia, Polónia, etc. 

Sim, o nosso Presidente utiliza um estilo que se assemelha aos populistas que critica, mas sem a carga da ideologia assustadoramente problemática. É aquilo a que se pode apelidar de um populismo benigno dos afetos. 

Tenho a certeza que a maioria dos portugueses prefere o populismo benigno de Marcelo ao perigoso do Trump, Bolsonaro, Erdogan, Orbán, Salvini e restantes amigos. 

No Verão passado o Miguel Sousa Tavares disse uma frase que para mim faz todo o sentido "O Presidente da República desarmou o populismo (em Portugal), andando à frente do populismo". 

2- Um outro tema que proliferou na agenda mediática foi a candidatura de Luís Montenegro à liderança do PSD. O ex- líder parlamentar do PSD na governação de Passos Coelho, justifica a sua decisão para evitar uma “derrota humilhante” do partido. Isto quando há poucos meses referira que “Nunca farei a Rui Rio o que António Costa fez a Seguro” e que “O País fica em muito melhores mãos com Rui Rio do que com António Costa”. É caso para dizer…bem prega Frei Tomás. 

O que o terá levado a mudar drasticamente de opinião, abrindo o flanco para ataques de falta de coerência e de timing suicida? 

Na minha opinião foi empurrado a fazer esse papel de troca-tintas pela turba dos Passistas, que daqui a poucos meses seria excluída das listas de Rui Rio. 

Se Rui Rio não tem hipótese nas próximas legislativas, o PSD com Montenegro menos hipóteses tem, como tal, estamos a falar de pura sobrevivência ao “tacho” e da manutenção de uma corrente de poder bem viva no interior do partido. 

As consequências deste estado de guerra (ideológica) interna é que podem ser perigosas, não só para o partido mas sobretudo para o País, nomeadamente com o descrédito de um partido de centro-direita, que é fundamental para a nossa democracia e que tem, de certa forma, impedido uma deriva mais radical de algum eleitorado de direita. Algo que infelizmente parece estar em voga em muitos pontos do globo.

(artigo publicado na edição de 18-01-2019 do Tribuna das Ilhas 

Comentários

Top dos artigos mais lidos

O Faial duplamente a ganhar

Há 4 meses atrás escrevi neste mesmo jornal que: “… tendo em conta o perfil, estilo e forma de estar de cada um, parece-me pacífico concluir que grande parte dos Faialenses deve ver com bons olhos a continuação do trabalho que têm desenvolvido. José Leonardo na Câmara, como um homem mais de ação, com propostas concretas e planificadas, mais sociável, genuíno, terra-a-terra e com provas dadas em cargos autárquicos, e Carlos Ferreira como deputado regional, com um discurso e argumentação mais estruturado e eloquente, com uma postura mais rígida e intransigente, honrando assim o cargo para qual foi recentemente eleito, na defesa dos interesses dos Faialenses perante o Governo Regional. Até prova em contrário, penso que assim os Faialenses ficam melhor servidos e duplamente a ganhar.”  Desde então, segui com atenção as propostas apresentadas e assisti às entrevistas dos candidatos para o Município da Horta. Julgo que foram esclarecedoras para perceber quem está melhor preparado e com projet…

O “spinning” da informação

As eleições autárquicas aproximam-se a passos largos. São eleições em que as pessoas se sentem mais próximas dos intervenientes. Cidadãos que todos conhecemos e com quem convivemos, encontram-se nas diferentes listas dos diferentes órgãos, em que é mais importante a competência para o cargo, bem como o trabalho realizado na sua localidade a nível profissional e sobretudo cívico, do que a cor ou ideologia do partido. 
Infelizmente, não se tem discutido o que cada um propõe fazer, são raras as propostas novas apresentadas e muito menos se perde tempo a explicar em concreto o que se pretende fazer de diferente e como. Além disso, ninguém parece preocupado em avaliar se o que foi proposto há 4 anos já foi realizado ou iniciado. 
Não se fala do início de obras por todos pretendidas e por outros anteriormente prometidas, mas que só neste mandato tiveram o seu início, como o Mercado Municipal, o Saneamento Básico ou o projeto da Frente Mar. Mas apenas se o lamentável bloqueio a um apoiante de …

O infortúnio do Mestre Simão

Sábado, 6 de janeiro 2018. Um dia que ficará na história do Triângulo. Acordei cedo, como acordam todos os pais com crianças pequenas. Depois de tratar das mesmas, já com o pequeno-almoço tomado, numa pesquisa rápida pelo Facebook, deparei-me com o acidente do navio Mestre Simão à entrada do cais da Madalena. Ainda incrédulo, pude assistir aos diversos diretos, proporcionados por pessoas que rapidamente se deslocaram ao local. Fruto das novas tecnologias, pudemos assistir praticamente em direto ao drama que acontecia, com direito até à descrição aflitiva do que os nossos olhos presenciavam. O barco a balançar, preso nas pedras, para um lado e para o outro ao sabor das vagas que o fustigavam, alguns gritos das pessoas que assistiam no cais, aquando do efeito de uma vaga maior, provavelmente com familiares a bordo. A descida dos passageiros para a balsa, que agora vendo até foi rápida, mas que pareceu interminável quando estavam ao sabor das ondas e do perigoso balançar do barco sobre …

Vox populi - Habemus Presidentum!

As recentes eleições materializaram-se a nível nacional numa vitória histórica para o PS, atingindo o maior resultado de sempre de um partido nas eleições autárquicas. A este facto não serão alheios os excelentes resultados da governação da Geringonça de António Costa. Vitória essa que não se propagou aos seus aliados, obtendo o PCP um resultado desastroso (virando-o novamente para as greves e manifestações) e o BE mantido a sua nulidade a nível autárquico.  
Se a derrota do PSD já era esperada, o tamanho da humilhação em Lisboa e Porto, associada à estrondosa vitória do PS, determinou a saída de Passos Coelho. Se a noticia em si é vista com bons olhos pela maioria dos Portugueses (incluindo do PSD), não deve ter deixado satisfeito António Costa, que assim será forçado a trabalhos redobrados para atingir a maioria absoluta.
A nível regional manteve-se o mapa rosa, com o único destaque para a perda do Nordeste pelos Socialistas, mantendo assim, 12 das 19 câmaras, contra 5 do PSD, 1 …

Pordata - O Retrato do Faial

A Pordata, projeto da Fundação Francisco Manuel dos Santos, presta um serviço gratuito de acesso a informação estatística certificada sobre a sociedade portuguesa e disponibilizou este mês a edição 2018 do “Retrato dos Açores”. Apesar de credível, nota-se que existe um certo desconhecimento das especificidades dos Açores na apresentação de alguns dados. 
Os dados são divididos pelas 9 ilhas e 19 municípios dos Açores, descriminados em diferentes áreas. Não me vou debruçar sobre os dados dos Açores, que já foram publicitados na comunicação social, mas salientar os dados disponíveis da Ilha do Faial. 
O Faial é a 3ª ilha com mais população (14792 em 2016), a 5ª com maior superfície e a 3ª com maior altitude. Como a maioria das ilhas, continuamos a ter uma perda de população, mas ao comparar os dados de 2001 e 2016, depreende-se que tal se deve à redução acentuada dos jovens até aos 15 anos, já que a população ativa (15 aos 64 anos) aumentou. 
O concelho da Horta é o 2º dos Açores com m…

PIB e Turismo sustentado nos números

Quem nos últimos tempos tem lido o que se tem falado sobre o Faial, fica certamente com a ideia que estamos progressivamente a entrar numa espiral recessiva.
Existem aspetos positivos e negativos, é assim com tudo na vida, mas estava quase a ficar convencido que estávamos a perder o comboio do crescimento e dos dados positivos que se têm manifestado com pujança no País e também nos Açores, tal era a quantidade de maus presságios em artigos de opinião nos jornais locais e nas redes sociais.
Como é meu hábito, principalmente quando vejo alguma coisa que me manifesta alguma surpresa ou dúvida, tento primeiro pesquisar e confirmar com alguma fonte fidedigna, antes de replicar ou tecer algum tipo de comentário.
Nem a propósito, estas últimas semanas têm sido férteis na apresentação de dados estatísticos. Cinjo-me aos mais recentes e importantes; o Produto Interno Bruto (PIB), e os dados do sector com maior destaque e crescimento nos Açores, o turismo.
O PIB é um indicador que revela…

Aeroporto da Horta II (Turismo)

Na continuação do anterior artigo, foco-me agora em alguns dados estatísticos importantes do nosso aeroporto, que nos permitem analisar o presente para perspetivar o futuro. Os dados apresentados têm como fonte as tabelas disponíveis no site do Serviço Regional de Estatística dos Açores (SREA). 
Analisando os dados de 2017 e comparando com os de 2016, já de si excecionais, verificamos que o Aeroporto da Horta bateu o recorde de nº total de passageiros, atingindo o valor de 238.507 passageiros, o que representa um aumento de 7,7% em relação ao ano passado. Para se ter uma noção do que estamos a falar, o Aeroporto do Pico em 2017 atingiu pouco mais da metade, com 121.811 passageiros (obviamente com menos voos), uma redução de 1,2% em relação ao valor máximo atingido em 2016. 
Se a análise for feita apenas pelos passageiros desembarcados, verificamos que o Aeroporto da Horta teve um aumento de 6,18% para os 110.799 passageiros (+6451) e o Aeroporto do Pico uma subida de 0,96% para 59.93…

Doa a quem doer

No mês de Março foi tornado público o resultado das rotas operadas pela Azores Airlines, com destaque para as 3 rotas de Obrigações Serviço Público (OSP) com Lisboa (Horta, Pico e Santa Maria), conforme se pode verificar no quadro em que resumo os dados de 2016.

Facilmente se depreende a diferença da rota da Horta em relação às restantes. E se com o triplo dos voos se conseguem taxas de ocupação de 75%, com tarifas mais caras, dificilmente se compreende o grande prejuízo da rota. E se há que rentabilizar, o quadro deixa claro onde nos devemos centrar. Consultando dados mensais verificamos que Santa Maria teve apenas 2 meses com taxa de ocupação superior a 50% e 5 inferiores a 30%. O Pico tem 4 meses com taxas de ocupação inferiores a 50%, possuindo no entanto 2 meses com taxas superiores a 80% (Julho e Agosto). O Faial, por sua vez, tem todos os meses com taxas de ocupação superiores a 50%, com 8 meses superiores a 70%, dos quais 5, Maio a Setembro, com taxas superiores a 81%. Acresc…

Orçamento Estado 2018 e as implicações na carteira

A proposta de lei para o Orçamento Estado 2018 não apresenta grandes novidades o que é de saudar em termos de estabilidade de política fiscal. Para trás ficou o tempo que a cada apresentação do orçamento, famílias e empresas ficavam com o credo na boca. 
Em termos globais, a carga fiscal deverá sofrer um novo alívio, em que o maior destaque vai para o desagravamento do IRS das famílias, para todos os níveis de rendimento. Não só pelo alargamento do número de escalões do IRS, como pela confirmação de que deixará de se aplicar a sobretaxa de IRS. A exceção são os recibos verdes que em alguns casos poderão ver agravada a respetiva tributação.
Para o leitor ter uma melhor ideia, vamos supor que tem um rendimento de 1000€/mês, é casado (2 titulares) e tem 1 filho. O alívio em 2018 será de 308€, quando comparando com o valor a pagar em 2017.
O chamado mínimo de existência também sobe, deixando assim muitas famílias de pagar IRS. Os trabalhadores independentes vão ser abrangidos em 2018, pe…

Aeroporto da Horta

No ano que recentemente terminou, o Aeroporto da Horta voltou à baila na comunicação social. Não só pela discussão e aprovação do Plano e Orçamento 2017 (PO) na Assembleia Legislativa, com o habitual “ sacudir a água do capote” dos principais partidos, mas sobretudo devido à audição de individualidades na Comissão de Economia sobre as 2 petições referentes ao aeroporto da Horta e do Pico. Acresce a tudo isto a posterior conferência de imprensa do Grupo Aeroporto da Horta. 

Na discussão em plenário do PO foi mais do mesmo, o habitual passar de culpas, com os argumentos de sempre e de todos conhecidos. Qualquer pessoa minimamente esclarecida percebe que se este processo não andou, foi por responsabilidades políticas de vários partidos e intervenientes. Tal discussão serviu apenas para deixar claro qual a solução concreta apontada pelos deputados do PSD Faial, uma vez que até aqui tudo o que tinha lido se centrava em apontar culpas. Ao que parece a solução passava por aprovar uma verba …