Avançar para o conteúdo principal

Mensagens

Deambulações do dia-a-dia (sociais e políticas) - II

1 - Ao fazer uma pesquisa sobre os dados da emigração em Portugal, dei conta de um dado curioso. Em 1966, no tempo de António Salazar, a emigração atingiu o valor de 120.239 pessoas. Em 2014, já perto do final do mandato de Passos Coelho, 134.624 pessoas saíram do país para o estrangeiro, o valor mais alto registado. O dado mais recente reporta a 2018, também já perto do final do 1º mandato de António Costa, com 81.754 pessoas emigradas. 
2 - Politicamente falando, ainda não se viu nada de concreto do Livre a não ser um excessivo agitar de águas e o foco nas questões associadas à sua deputada. Se no início agrega um nicho de eleitorado, ao continuar assim, acabará por potenciar o crescimento dos radicalismos no extremo oposto. 
Ideologias de parte, admiro a coragem e o à vontade da deputada do Livre com a sua gaguez, algo que não é comum ver, sobretudo na política e na TV. 
É perfeitamente normal que em determinadas situações a gaguez seja muito acentuada, provavelmente associada a mai…
Mensagens recentes

O Rei vai nu

O resultado das Legislativas foi aquilo que se previa. Já todas as análises foram feitas e em relação às mesmas, apenas saliento que, numa democracia representativa parlamentar, o relevante é o número de deputados eleitos e a maioria que daí advém. Assim, constatamos que face às últimas eleições, o PS ganhou +20 deputados e o PAN +3. O PSD perdeu 12, o CDS perdeu 13, a CDU perdeu 5 e o BE manteve o mesmo número. Faltam nestas contas os 3 novos deputados do IL, Livre e Chega, que não estavam representados anteriormente, bem como os 4 deputados a eleger pelos emigrantes. Destaque também para a abstenção, sobre a qual já escrevi no artigo anterior, e o facto de o PS ter mais deputados (106) que toda a direita (PSD, CDS, IL e Chega com 84). 
Se o partido que formaria governo já era há muito conhecido, o mais importante será perceber que tipo de apoio parlamentar dai advém. Sendo essa ainda uma incógnita, vou cingir-me, por agora, a 2 outros aspetos que achei relevantes: 
1 - O discurso de…

A democracia é o pior dos sistemas, à exceção de todos os outros

Dizer que os políticos são todos iguais, fomentar a divisão entre o “eles” e o “nós”, ter e promover uma aversão à política é a receita da extrema-direita populista. Exemplos não faltam, e o pior é que, em todos os quadrantes, começa a florescer este tipo de ações para manipular os sentimentos do eleitorado na conquista fácil do voto. 
Seria bom que todos percebessem que os políticos mais não são que o espelho da sociedade. 
Pensei em escrever um apelo ao voto, não num determinado sentido, mas no âmbito do combate à abstenção. Mudei de ideias. Prefiro que os desinteressados, os desinformados, os leitores assíduos de Fake News e patológicos adeptos da sua partilha, os demagógicos e populistas, os saudosistas do antigo regime e outros que tais, se abstenham de influenciar o meu futuro. 
A abstenção é um problema crescente nas democracias em geral, mas discordo de soluções simplistas que proliferam por aí. 
Discordo frontalmente das teorias de associar “cadeiras vazias” à abstenção. Quan…

Fado positivo e debates políticos

1- O passado mês de agosto foi fértil em boas notícias para Portugal. A economia portuguesa não abranda e mantém um crescimento de 1,8% no 2º trimestre, demonstrando assim que conseguiu resistir à degradação da conjuntura internacional, estando em contraciclo com a Zona Euro.
Se o futuro da economia mundial demonstra indícios de preocupação, os dados apontam que o nosso País está mais bem preparado para uma eventual turbulência. Apesar do impacto esperado, longe parece o tempo em que uma simples constipação na Europa era sinal de internamento nos cuidados intensivos em Portugal. 
A dívida pública atingiu mínimos de 2012, com uma queda para os 122,2% do PIB na ótica de Maastricht. E estes valores de endividamento já são contabilizados com a mudança metodológica a nível europeu, que levou a um aumento de 2,1 pontos percentuais na dívida pública portuguesa. Se o facto é de registar, o valor ainda assusta, reforçando a necessidade de políticas ponderadas e controlo orçamental. 
Outras das…

Aeroporto da Horta - O antes e o depois

No passado dia 24 de Agosto, o Aeroporto da Horta celebrou o seu 48º aniversário. Corria o ano de 1971, quando o então Presidente da República, Américo Tomás, deslocou-se à ilha do Faial para a sua inauguração.  Foi preciso esperar quase 14 anos (5 Julho de 1985) para o 1º voo direto entre Horta e Lisboa, voo esse realizado pelo Boeing 737 “Ponta Delgada”, da companhia aérea TAP.  Passados 16 anos (24 Agosto de 2001), nova data digna de destaque, a remodelação da Aerogare, com a passagem para a categoria de Aeroporto Internacional.  Dezoito anos após a remodelação, cresce a ânsia de nova data histórica para o Aeroporto da Horta, a ampliação da sua pista, com o objetivo de eliminar restrições atuais e possibilitar a utilização de outro tipo de aeronaves, melhorando assim uma das suas principais características, a de acesso ao exterior da Região e principal porta de entrada no Triângulo.  Os últimos 4 anos têm sido demonstrativos do crescimento de passageiros no Aeroporto da Horta, ass…

Faialenses ganham mais 369€ por ano do que a média nacional

Vem este artigo a propósito do recente trabalho desenvolvido pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), sobre os rendimentos medianos dos portugueses.
Os resultados apresentados baseiam-se nos indicadores de rendimento declarado no IRS de 2017, mais concretamente em dados fiscais anonimizados da Autoridade Tributária e Aduaneira.
Como é normal nestes casos, o feedback que advém destes estudos na comunicação social, centra-se nas médias nacionais e em comparações a nível de regiões ou no valor mais alto e mais baixo detetado por município. Dito de outra forma, ficamos com o resultado dos Açores como um todo e podemos comparar com outras regiões ou com a média nacional. 
Para aqueles que, como eu, são mais curiosos, têm que ir procurar nos documentos originais e nos “lençóis” de Excel disponibilizados pelo INE, para ter dados relativos à nossa ilha/município.
Isto porque, como todos bem sabemos, os dados dos Açores, muitas das vezes refletem a realidade da ilha onde residem cerca de …

Eleições em modo férias

Estamos a 2 meses das eleições e no auge das férias do Verão… Os candidatos já foram apresentados, as listas tornadas públicas, as prioridades enunciadas e as sondagens, todas elas, apontam para a vitória clara do PS.  Apesar de ser possível a maioria absoluta, esta dificilmente acontecerá e, creio mesmo que, de futuro, será difícil que aconteça no nosso sistema político.  No que toca a sondagens, é curioso verificar que os eleitores à esquerda e à direita preferem uma coligação do PS, à repetição do acordo parlamentar que deu origem à Geringonça. Sendo que o parceiro preferido para coligação é o BE, a 3.ª força em todas as sondagens. Um outro dado interessante é que mais de metade dos inquiridos (51%) aprova o desempenho do Governo, contra 38% que desaprovam. Interessante porque mesmo preferindo o partido do poder ou o seu candidato, por regra, o desempenho do governo é penalizado em sondagens. Já a oposição continua a merecer fortes críticas, com 56% dos eleitores dando nota negati…

1-Férias, 2- Turismo e 3- Feira

1 - Estive uma semana num conhecido destino de férias no Mediterrâneo, onde o turismo tem um papel determinante em toda a economia local. Não vou escrever sobre as minhas férias, mas sim sobre um facto que me chamou a atenção. Estava eu a almoçar no buffet do resort quando reparei em meia dúzia de indivíduos com identificação que entraram nas instalações. Na movimentada hora da refeição, verifiquei que o espaço estava a ser auditado por uma equipa de acreditação de qualidade. No dia seguinte, ao fazer uma excursão, na paragem onde estavam vários autocarros turísticos, vi chegar cerca de 20 pessoas com coletes de “inspeção rodoviária”! No mesmo dia, e já na praia, verifiquei que um bar/restaurante junto à mesma estava a ser inspecionado pelas autoridades. Pensei para comigo, isto aqui não se brinca em serviço e percebe-se a importância e o quão fundamental é este setor. Como turista, senti-me reconfortado com a intensidade que dão a estas questões, mas não pude de deixar de imaginar s…

Estão os transportes aéreos a destruir o turismo no Faial?

O título é uma pergunta retórica que tenta resumir aquela que é uma afirmação convicta de muitos Faialenses.  Uma afirmação compreensível, face ao que tem acontecido no transporte aéreo, mas que peca por excesso, se tivermos em consideração os dados associados ao turismo. 

Se é verdade que a Azores Airlines passa um período conturbado, em que o serviço prestado tem sido do pior que temos visto por estes lados, com dificuldade na marcação de voos, sucessivos atrasos e vários cancelamentos, também o é que, nunca como agora, tivemos tantos passageiros desembarcados, dormidas e proveitos nos estabelecimentos de turismo da nossa ilha. Resumindo, o turismo no Faial está a crescer, mas o transporte aéreo não está a potenciar aquilo que poderia ser um crescimento mais acentuado, causando incómodo e ansiedade nas viagens, sobretudo dos residentes, contribuindo para que no futuro possa até ser responsável por um desgaste do destino, se nada for feito em contrário. 
A ilha do Faial foi a que apre…

Europeias – O nosso futuro coletivo

As eleições europeias realizam-se este fim-de-semana. Estas eleições têm, por regra, um elevado valor de abstenção, a nível europeu (57%), nacional (66%) e sobretudo regional (80%, tendo no Faial 73%). Mas este ano tínhamos reunido todos os ingredientes para que fossem umas eleições diferentes. Senão vejamos:
1 - A nível europeu temos o cavalgar frenético dos nacionalismos e populismos da extrema-direita xenófoba, que juntamente com o advento do Brexit, já seria suficiente para uma chamada de atenção para aos eleitores que defendem os pilares que estiveram na construção do projeto Europeu. Felizmente em Portugal não temos (ainda) nenhum partido relevante neste espectro político, mas temos alguns que se tendem a aproximar, tentando canalizar para si o crescimento do eleitorado nessa franja radical. 
Nestas eleições é preciso ter consciência que as famílias políticas europeístas do PPE (partido popular europeu, onde se encontra PSD e CDS) e S&D (aliança de socialistas e democratas, o…

Política a quanto obrigas!

Escrevo na sequência da aprovação, em sede de Comissão, da recuperação integral do tempo de serviço dos professores. 
Independentemente da justiça ou não do que é aprovado, importa esclarecer que nenhuma Lei que implique aumento de despesa orçamental, pode ser aprovada sem o respetivo equivalente aumento de receita. Ora, nenhum partido teve a coragem de referir que imposto iria aumentar ou onde queria cortar nos serviços do Estado. Da mesma maneira que nenhum partido tinha no seu programa eleitoral esta medida, mas todos já demonstraram a intenção de a concretizar. A diferença está em que alguns reconhecem as suas implicações orçamentais e divergem no como, quando e quanto. 
Para fugir à inconstitucionalidade, a estratégia eleitoralista de toda a oposição, foi "chutar" a devolução do tempo congelado para futuros orçamentos. Na senda do quem venha atrás faça as contas, aumente a receita e feche a porta. Se a decisão na votação foi algo esperado nos partidos da extrema-esque…

O copo meio cheio

É sabido que notícias positivas não são apelativas para o leitor, mais ainda se estivermos a falar de dados económicos.
Todos sabemos que muito ainda há a fazer no nosso país, mas seria interessante que houvesse um equilíbrio e pedagogia na divulgação de informação e que, o caso particular fosse apresentado como isso mesmo, e não como uma generalização abusiva de negativismo. 
No esforço inglório de tentar balançar a visão simplista dominante, daqueles que, por diversas razões, consideram mais prático ver o copo meio vazio em vez de salientar a subida para o meio cheio, destaco alguns dos títulos económicos do nosso país nas 2 últimas semanas. Cinco resumos de notícias de jornais da especialidade e que aparentemente passaram despercebidos para a maioria, ofuscadas que estão nos mediatismos do extraordinário, na onda cavalgante do populismo e na espuma da demagogia.
1 – O reembolso do IRS que chega às contas dos portugueses é, em média, 30% superior ao do ano passado. Quem o diz é a co…

Turismo no Faial na época baixa

Os indicadores mais recentes associados ao turismo, dão nota de um crescimento acentuado na ilha do Faial na denominada época baixa. 
1- Comecemos pelos passageiros aéreos desembarcados. Em março de 2019, desembarcaram nos aeroportos dos Açores, 109.510 passageiros, o que representa um aumento de 1% face ao mesmo mês de 2018.  No que toca à ilha do Faial, os dados são esclarecedores. No passado mês de fevereiro o Faial foi a ilha que teve o maior crescimento homólogo do mês e do último trimestre, com +13,6% e +10,2%, respetivamente. No último mês do Inverno os dados permaneceram positivos.  Senão vejamos:  - Foi a ilha que apresentou o terceiro maior crescimento homólogo no mês de março, com mais 6% de passageiros desembarcados, crescimento esse apenas ultrapassado pelo Corvo e Flores.  - Foi a 2ª ilha com a maior variação homóloga nos últimos 3 meses, com mais 9,7% de passageiros, apenas atrás da ilha do Corvo.  - No acumulado dos últimos 6 meses (Inverno IATA), foi a 2ª ilha que ve…

Um dia negro para os Açores

O infeliz episódio de não existência de um candidato dos Açores na lista do PSD às eleições europeias foi uma desconsideração a todos os Açorianos, por mais diferentes que sejam as suas opiniões ideológicas. Um episódio negro que irá ficar perpetuado na vida política Açoriana e que desejamos que não seja repetido por nenhum partido com a dimensão e importância do PSD a nível nacional e em particular na autonomia regional. 
Mais do que uma vergonha para o PSD-Açores de Alexandre Gaudêncio e para Mota Amaral é uma ofensa à Região Autónoma dos Açores, perpetuado pelo PSD de Rui Rio.

Pela primeira vez em 30 anos os Açores não vão ter um candidato pelo PSD ao Parlamento Europeu, restando apenas um único deputado em lugar elegível, do partido que suporta o Governo. 
Fica assim claro a visão centralista e anti-Açores do atual PSD.
Fica assim claro o peso político do PSD-Açores de Alexandre Gaudêncio, que cada vez mais tende para zero e que é visto como persona non grata pela direção nacional…

1- Dia da Mulher, 2- Desfile de Carnaval e 3- Festival da Canção

1 - Apesar de todos os avanços na sociedade ocidental, enquanto existir um número extremamente reduzido de mulheres em cargos de chefia, enquanto as mulheres ganharem em média, pelas mesmas funções, menos do que os homens, como demonstram todas as estatísticas oficiais, este dia faz todo o sentido em ser celebrado, como um dia de luta pelos seus direitos.  O dia internacional da Mulher não serve para oferecer flores e fazer descontos em produtos. É um dia político. Nasceu de lutas de operárias pela igualdade, sobretudo salarial. É um dia pela igualdade de género, para relembrar as reivindicações pelos direitos sociais, económicos e políticos das mulheres na sociedade.  2 – Existem 3 eventos que enchem de vida e vitalidade as artérias principais da nossa cidade. Refiro-me à Semana do Mar, ao Dia das Montras, enquadrado nas festividades do Natal, e ao desfile de Carnaval da Pequenada.  Foi por isso com estupefação que li na imprensa local que a Escola Básica e Integrada da Horta não ia pa…

O País visto por fora - zapping informativo

1 – Se é verdade que muito ainda falta fazer para melhorar a realidade de Portugal, também é verdade que estamos consideravelmente melhor que no passado recente. Se os dados económicos assim o demonstram, divulgados por instâncias internacionais e imprensa especializada, nem sempre essa realidade é replicada na população com a velocidade desejada. É por isso com agrado que verifiquei que no estudo “Changing Consumer Prosperity” da prestigiada Nielson, uma empresa global de medição e análise de dados, os Portugueses aparecem como mais otimistas que os restantes países Europeus. E este dado é significativo se considerarmos que em 2013 apresentava os portugueses como “um dos povos mais pessimistas do mundo”, concluindo que o seu comportamento face ao consumo, bem como os índices de confiança estavam em mínimos históricos. 
Compreende-se este resultado, tendo em conta o cenário depressivo e de empobrecimento de 2013 e as melhorias na situação económica do País nos últimos anos, traduzidas…