Avançar para o conteúdo principal

Mensagens

Para além do óbvio

Na maioria das vezes não somos sensatos o suficiente para vislumbrar o que está para além do óbvio. O tempo mediático da informação, onde os media sociais e a sua interação dominam a atualidade informativa, pouco tempo deixa para a reflexão, o que porventura adensa a necessidade para conclusões imediatistas. 
Cingimo-nos a dois acontecimentos mediáticos recentes, de onde proliferaram títulos, partilhas e comentários incisivos. 
1O Presidente da República decidiu fazer um telefonema na estreia de um programa de televisão da mais famosa (e bem paga) apresentadora da TV portuguesa, com o objetivo aparente de desejar-lhe boa sorte. Um tema apetecível para os media sedentos de visualizações que obviamente “viralizou”. 
O ato é sem dúvida de um populismo sem precedentes, mas arrisco a dizer que porventura até é necessário (para o País e obviamente para o próprio) ou não fosse Marcelo Rebelo Sousa uma mente que respira estratégia em cada passo que dá. 
Ao canalizar o populismo em Portugal p…
Mensagens recentes

A Trilogia Orçamental

Nos últimos dias do mês de novembro foram aprovados três orçamentos, em três diferentes assembleias, com impacto na vida de todos os Faialenses para o ano de 2019. Refiro-me à aprovação na Assembleia da República do Orçamento de Estado, à aprovação na Assembleia Legislativa Regional do Orçamento da Região e na Assembleia Municipal da Horta do Orçamento Municipal. 
Nos três orçamentos, onde vem discriminada a receita e a despesa a efetuar em 2019, a nível nacional, regional e municipal, existem vários denominadores comuns. Desde logo o facto de todos eles terem sido elaborados pelo PS, que governa nas três frentes e de, em todos eles, verificar-se o apoio e contributo de múltiplas forças políticas, inclusive nos casos em que tem maioria absoluta. Se olharmos para os resultados das diferentes votações, estou certo que o leitor também encontra outros pontos em comum. 
Tendo em conta a melhoria dos indicadores económicos, não foi com surpresa que o Orçamento de Estado foi aprovado com vo…

O problema das boas notícias

Nas últimas semanas fomos brindados com boas notícias para a ilha do Faial. No entanto, segundo alguns artigos de opinião, parece que as mesmas não passam de “uma afronta” ou de “ações de propagada inútil”.
Refiro-me a 2 situações concretas:
1- O destaque do Faial no Orçamento de Estado 2019, com a inclusão de duas importantes revindicações dos Faialenses. Refiro-me à “instalação e operacionalização do Observatório do Atlântico na ilha do Faial” e à promoção “dos procedimentos necessários para a viabilização da antecipação da ampliação da pista do Aeroporto da Horta”.
2- A realização da visita estatutária com todo o Governo Regional à ilha do Faial onde foi feito um ponto de situação, ouvidas as forças vivas e cidadãos, e onde, como é normal, foram apresentados os investimentos concluídos, o ponto de situação dos que estão em andamento e a informação dos novos projetos a desenvolver.
Na minha modesta opinião, sob qualquer prisma, estas são boas notícias, o que não quer dizer, obvia…

Sinais dos tempos

O Brasil elegeu democraticamente o seu novo líder, Jair Bolsonaro. 
O resultado das eleições foi o que todos já esperavam, mas não deixa de ser extraordinário pensar que há 1 ano atrás ninguém sonharia que tal viesse a acontecer. Aliás, há 1 ano Bolsonaro nem era filiado no partido (de reduzida expressão), que agora ganhou as eleições e só oficializou a sua candidatura há 3 meses. 
Um candidato supostamente anti-sistema, mas que é político profissional há 28 anos em 9 partidos diferentes, que agregou toda a onda de medo, raiva e descontentamento da sociedade brasileira, temperado com o nacionalismo militar, o liberalismo económico do partido moleta e o ultraconservadorismo da religião evangélica.
Não vou aqui adjetivar o candidato nem citar as suas polémicas afirmações, pois creio que o leitor está minimamente elucidado acerca disso. Apenas indicar 5 tópicos que me parecem que foram fundamentais para o resultado destas eleições: Medo/insegurança; corrupção; atentado sofrido; ódio/div…

Deambulações do dia-a-dia (sociais e políticas)

1 - Sais de manhã, trabalhas, vais almoçar ao bar num ápice.
Uma senhora de idade, sentada ao teu lado, olha para a televisão e começa a falar contigo sobre o que se passa lá. Atiras uma frase. Ela insiste. Estás com pressa mas falas com ela sobre o assunto da televisão. A seguir, ela conta-te as suas aflições. Tu tens pressa, mas não queres ser indelicado. Cedes a ouvi-la: os problemas de saúde, os filhos, o dinheiro, um vizinho que põe a música altíssima.  Lembras-te de Eça procurando apaziguar o espanto: "O que não contas ao teu amigo conta-o a um estranho, na estalagem". 
2 – Passados 7 anos e 3 meses, as três principais agências de rating colocam a dívida portuguesa no grau de investimento de qualidade.  Fica para a história que foi no governo liderado por António Costa que as agências de rating retiraram a dívida pública de Portugal do LIXO. Um governo do PS, com o apoio de PCP, BE e Verdes, a apelidada esquerda radical, que ia afugentar investidores e empresas e faze…

Um não assunto

O País foi entretido no passado mês com um não assunto.  Uma estratégia recorrente quando se pretendem criar casos para distrair as atenções daquilo que realmente interessa. Refiro-me à nomeação da nova Procuradora-Geral da República (PGR). Desde o início do ano, alguns sectores da direita lançaram a onda da recondução da PGR, com base no trabalho realizado. Estou certo que o leitor reconhece a PGR, tal o número de casos mediáticos no seu mandato e até tem boa impressão do trabalho realizado. Globalmente também tenho, até porque a opinião pública ficou com a ideia que ninguém está a salvo de ser investigado (ir a julgamento já é outra história). Apesar de positivo e corajoso, considero que o mandato não foi aquilo que alguns apregoam. Não só porque, passado todo este tempo, os casos mais mediáticos nem chegaram a julgamento, não existindo, portanto, nenhuma sentença, como também existem vários casos mal explicados, como são exemplo, os Estaleiros de Viana do Castelo, a Tecnoforma, o…

O fim do Verão

1- Apesar do Verão terminar oficialmente no dia 23 de Setembro, já é visível que o mesmo findou na ilha do Faial. A juventude que faz renascer a nossa ilha no verão já partiu, com a sentida despedida de pais e filhos, que se repete, ano após ano, para aqueles que pretendem seguir estudos. Os familiares e amigos que nos visitam nesta altura já voltaram às suas vidas, quer seja no Continente, num qualquer país da Europa ou na América do Norte, onde procuraram as suas ambições ou melhores condições.
Os turistas já aparentam ser em menor número, a noite volta a ser modesta, centrada em espaços fechados e com as caras de sempre. No fim-de-semana, durante a tarde, a cidade volta a ficar quase deserta, na sua sossegada pacatez e bonita melancolia.
Durante a semana as praias ficam despidas de gente, pintadas ainda aqui e ali, pelos mais resistentes, e já é possível ir jantar aos restaurantes mais concorridos sem nenhum tipo de marcação.
A noite já começa a ficar fresca e a tempestade Helene …

Rentrée

1 - Agosto já passou, e com ele o período de férias para a maioria dos portugueses. Na chamada silly season os temas do dia-a-dia foram praticamente os mesmos, exceção feita à novela de um tresloucado ex-presidente de um clube de futebol, que felizmente parece que já não tem o tempo de antena que, de uma maneira absurda, lhe era facultado.
Tivemos os habituais incêndios de verão, mas 2018 é dos anos com menor área ardida em Portugal, com menos danos e sem vítimas mortais a lamentar. Tivemos também o Presidente da Republica a banhos, seguido por câmaras de TV e muitos telemóveis à procura das ”marselfies”, os prognósticos sobre o próximo de Orçamento de Estado, bem como as contratações e saídas dos clubes de futebol. 
2- No Faial a conversa de sempre sobre a Semana do Mar, que ano após ano termina com nota positiva, refrescada este ano pela novidade dos copos reutilizáveis, que inicialmente levantaram algumas dúvidas, mas que terminou com a aceitação e aclamação pela larga maioria dos f…

Um novo ciclo no PSD-Açores?

Em fevereiro do ano passado teci algumas considerações sobre o congresso do PSD-Açores, realizado após mais uma derrota eleitoral do seu líder, Duarte Freitas. Escrevi então que “ Ficou claro em algumas intervenções e na maneira fria com que foi recebido, que Duarte Freitas não convence nem empolga verdadeiramente o partido. (…) A pergunta que fica no ar é: Se Duarte Freitas não consegue convencer categoricamente o partido, vai conseguir convencer o eleitorado Açoriano? Fica-se com a impressão que é o líder possível e não o desejado. O líder para a travesseia do deserto que ninguém quer neste momento fazer. Mas à primeira miragem de um oásis, estou certo que outras figuras irão aparecer, como José Bolieiro ou Alexandre Gaudêncio.” 
Apesar de na altura ter deixado claro que não se demitia do cargo, não era difícil perceber que tal estratégia não teria futuro. Se o acumular de 5 derrotas e a insatisfação da velha guarda do partido não foi suficiente para o persuadir, a chegada de Rui R…

Orçamento Participativo dos Açores (Criticar é fácil, fazer é que é difícil)

O Governo Regional iniciou este ano o Orçamento Participativo dos Açores (OP-Açores) com o intuito de promover a cidadania ativa em todas as 9 ilhas e cumprindo assim aquele que era um compromisso para o atual mandato. 
Através do OP Açores, todas as pessoas podem decidir como investir € 600.000,00 (seiscentos mil euros) nas áreas do Ambiente, Inclusão Social, Juventude e Turismo, quer na apresentação de antepropostas de investimento para as respetivas ilhas, quer na escolha, através do voto, das propostas a implementar. Por uma questão de justiça entre ilhas, foi criada uma fórmula de cálculo com o pressuposto de assegurar uma distribuição equitativa das verbas.  O OP-Açores foi divulgado em todos os meios de comunicação social, nas redes sociais e foi apresentado presencialmente em todas as ilhas dos Açores, nos publicitados encontros participativos. A apresentação das antepropostas foi realizada até dia 30 de Abril.  Conhecendo as críticas levantadas na comunicação social e nas re…

Pordata - O Retrato do Faial

A Pordata, projeto da Fundação Francisco Manuel dos Santos, presta um serviço gratuito de acesso a informação estatística certificada sobre a sociedade portuguesa e disponibilizou este mês a edição 2018 do “Retrato dos Açores”. Apesar de credível, nota-se que existe um certo desconhecimento das especificidades dos Açores na apresentação de alguns dados. 
Os dados são divididos pelas 9 ilhas e 19 municípios dos Açores, descriminados em diferentes áreas. Não me vou debruçar sobre os dados dos Açores, que já foram publicitados na comunicação social, mas salientar os dados disponíveis da Ilha do Faial. 
O Faial é a 3ª ilha com mais população (14792 em 2016), a 5ª com maior superfície e a 3ª com maior altitude. Como a maioria das ilhas, continuamos a ter uma perda de população, mas ao comparar os dados de 2001 e 2016, depreende-se que tal se deve à redução acentuada dos jovens até aos 15 anos, já que a população ativa (15 aos 64 anos) aumentou. 
O concelho da Horta é o 2º dos Açores com m…

Boas notícias (ou a realidade alternativa?)

As boas notícias não são apelativas para a comunicação social. Não chamam a atenção do leitor e não vendem. Também não o são para a oposição a quem governa. 
Não refutando a evidência dos bons resultados, a estratégia da oposição centrava-se na ideia que os mesmos se deviam a cativações para esconder cortes, apelidando de “austeridade encapotada”. Teoria essa desmascarada pela própria presidente do Conselho de Finanças Públicas, que em abril anunciou que “as cativações do ano passado foram as mais baixas desde 2013”. 
O País está melhor e o caminho que antes era apresentado como “sem alternativa” foi desmentido pela realidade. Sabemos hoje que era mesmo possível devolver rendimentos, não cortar pensões, aliviar os impostos para a classe média e repor os apoios sociais. Mas o mais importante é que sabemos que foi esse caminho que permitiu um maior desenvolvimento económico. 
Não só as cativações são mais baixas, como na saúde, o atual Governo, com o apoio da esquerda, aumentou o inves…

Lobbies e Aeroportos

Já escrevi diversos artigos sobre o aeroporto da Horta, com uma série de dados que demonstram a sua importância para os Açores, para o Triângulo e para o Faial. Pensava que tão depressa não volta a escrever sobre este tema e muito menos dar azo a comparações entre aeroportos do canal, mas vejo-me impelido a fazê-lo. 
Vem este artigo a propósito de uma corrente que prolifera por alguns comentadores, jornalistas e opinião pública no apoio ao Aeroporto do Pico em detrimento do da Horta. Este facto a meu ver deve-se sobretudo a uma comunicação mais eficiente na divulgação de dados para a opinião pública dos “defensores” do Aeroporto do Pico. Enquanto no Faial, parece que o principal objetivo é denegrir a SATA, no outro lado do canal tenta-se puxar pelos dados positivos, fazendo lobby dos mesmos em diversos órgãos de comunicação social. Curiosa e inteligentemente, fazem-no, utilizando dados que a própria SATA refere que não são os que usa (os do SREA), mas neste caso sem levantar qualquer…

Redes sociais e Fake News

As Fake news (distribuição deliberada de desinformação) não foram inventadas pelas redes sociais, nem pelos serviços de propaganda russos ou nas presidenciais norte-americanas. Sempre existiram. Não são uma novidade na sociedade, mas a escala a que são produzidas e difundidas no mundo digital, elevaram as mesmas para um novo patamar. Estamos perante uma nova “indústria” com empresas que produzem e disseminam Fake News com o intuito de “caçar” visualizações a qualquer custo, utilizando para tal, todos os recursos disponíveis para envolver o maior número de pessoas possível, sem estas saberem que estão a ser utilizadas como peça chave para essa difusão. 
A novidade tem sido a utilização de dados pessoais dos utilizadores das redes sociais para melhor fazer chegar este tipo de informação.  Recentemente tivemos conhecimento da polémica que envolve a maior rede social do Mundo – Facebook – e a Cambridge Analytica, uma empresa de recolha e tratamento de informações sobre eleitores. Em caus…

PIB e Turismo sustentado nos números

Quem nos últimos tempos tem lido o que se tem falado sobre o Faial, fica certamente com a ideia que estamos progressivamente a entrar numa espiral recessiva.
Existem aspetos positivos e negativos, é assim com tudo na vida, mas estava quase a ficar convencido que estávamos a perder o comboio do crescimento e dos dados positivos que se têm manifestado com pujança no País e também nos Açores, tal era a quantidade de maus presságios em artigos de opinião nos jornais locais e nas redes sociais.
Como é meu hábito, principalmente quando vejo alguma coisa que me manifesta alguma surpresa ou dúvida, tento primeiro pesquisar e confirmar com alguma fonte fidedigna, antes de replicar ou tecer algum tipo de comentário.
Nem a propósito, estas últimas semanas têm sido férteis na apresentação de dados estatísticos. Cinjo-me aos mais recentes e importantes; o Produto Interno Bruto (PIB), e os dados do sector com maior destaque e crescimento nos Açores, o turismo.
O PIB é um indicador que revela…

Aeroporto da Horta III (Pistas e Aviões)

Chegado a este terceiro artigo, importa recordar algumas ideias. A taxa de ocupação da rota LIS-HOR-LIS em 2017 ronda os 74%. No Verão, apesar de um reforço exponencial de voos, em que temos meses que são realizados 55 voos diretos para Lisboa, obtemos uma taxa de ocupação de 93%, com vários dias esgotados. No inverno o número de voos é reduzido, com apenas 4 voos por semana, atingindo um mínimo de 15 voos diretos durante o mês de Fevereiro, com taxas de ocupação de 54%. Outro aspeto a ter em conta é o facto de a SATA só ter 3 aviões A320 para fazer as rotas do Faial e Pico, com a agravante de um dos aviões estar com problemas para este ano, o que obviamente irá provocar maiores constrangimentos se nada for feito até ao Verão. 
Mas como nem tudo são más noticias, passou despercebida a excelente notícia da entrada em vigor das cartas e procedimentos de aproximação por instrumentos designados RNP-AR, para a pista do Aeroporto da Horta. Mais conhecido como o projeto RISE, estes procedim…

Aeroporto da Horta II (Turismo)

Na continuação do anterior artigo, foco-me agora em alguns dados estatísticos importantes do nosso aeroporto, que nos permitem analisar o presente para perspetivar o futuro. Os dados apresentados têm como fonte as tabelas disponíveis no site do Serviço Regional de Estatística dos Açores (SREA). 
Analisando os dados de 2017 e comparando com os de 2016, já de si excecionais, verificamos que o Aeroporto da Horta bateu o recorde de nº total de passageiros, atingindo o valor de 238.507 passageiros, o que representa um aumento de 7,7% em relação ao ano passado. Para se ter uma noção do que estamos a falar, o Aeroporto do Pico em 2017 atingiu pouco mais da metade, com 121.811 passageiros (obviamente com menos voos), uma redução de 1,2% em relação ao valor máximo atingido em 2016. 
Se a análise for feita apenas pelos passageiros desembarcados, verificamos que o Aeroporto da Horta teve um aumento de 6,18% para os 110.799 passageiros (+6451) e o Aeroporto do Pico uma subida de 0,96% para 59.93…